As empresas do ramo da construção civil devem reforçar as normas  de segurança e higiene no trabalho para prevenir os acidentes laborais, disse ontem, em Luanda, o inspector assessor principal da Inspecção Geral do Trabalho, Manuel Nlando

Em declarações à Angop, por ocasião do Dia Mundial da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, a assinalar-se na sexta-feira,  Manuel Nlando defendeu a criação de comissões de prevenção de acidentes de trabalho nas empresas.
Referiu que os casos de acidentes de trabalho nas empresas de construção civil são elevados. Para reduzir o número de acidentes, disse Manuel Nlando, a Inspecção Geral do Trabalho tem realizado campanhas de sensibilização, principalmente  nas empresas do sector de construção civil.
Um elevado número de empresas, disse, têm cumprindo com o que está legislado sobre segurança e saúde no trabalho, mas muitas ainda cometem graves infracções.
“Em termos de legislação, o país  está bem servido, porque temos  as ferramentas  necessárias para que as empresas apostem na prevenção dos riscos”, referiu o funcionário da Inspecção Geral do Trabalho.
“Temos um diploma específico, um regime jurídico de acidentes de trabalho que consta no Decreto 53 /05 de 15 de Agosto, que defende o funcionário em caso de um incidente laboral”, acrescentou.
Manuel Nlando aconselhou os trabalhadores afectos ao sector  da construção civil a usarem os equipamentos de protecção individual, para evitarem riscos de acidentes de trabalho.
“Quando uma empresa do ramo não cumpre com a legislação, a Inspecção Geral do Trabalho aplica a devida multa  e exige a distribuição do equipamento aos trabalhadores”, referiu.
O objectivo fundamental, disse,  é salvaguardar a integridade física do trabalhador. Anualmente, em todo o país são realizadas várias manisfestações para alertar a sociedade sobre as repercursões humanas, económicas e sociais das más condições de trabalho e reflectir sobre os altos índices de acidentes laboarais que têm graves consequencias na vida dos trabalhadores.